11 de jun de 2012

A CIRURGIA

Nunca fiz cirurgia de coisa alguma; no máximo, unha encravada. E eis que de repente vou fazer a cirurgia do ombro. Claro, eu poderia mentir. Dizer que é algo breve e não tenho medo. Pior ainda é a tentativa das pessoas de me manterem calmo ao repetirem os tradicionais chavões aplicados à circunstância. Racionalmente eu entendo. Sei que todos nós um dia teremos fim... Que a medicina avançou muito e assim por diante. O que mais me incomoda é ficar completamente inerme nas mãos dos médicos. Sei que são profissionais, regiamente remunerados para executar suas funções. Executar, este é o termo. Não gosto de demagogia, mas também não aprecio o tom blasé de certos médicos, como é o caso do que me atende. O tédio dele é contagiante. Tédio no sentido de "fala logo tudo e vamos cortar logo esta porra". Não há muito o que fazer. Apenas providenciar os exames preliminares e lidar com gente de pior qualidade. Como o cara da radiografia que deixou meu braço cair como um saco de batatas, não se impressionou com meu urro de dor e apenas disse: "assim não poderemos fazer o exame". Para todos eles eu sou apenas mais um "caso". Nestas horas, tenho orgulho da classe profissional a que pertenço. Vejam o meu caso: apesar de estar de licença médica, respondo a muitos alunos que estão em dificuldade com seus trabalhos de fim de curso. E movido simplesmente pela solidariedade humana frente a quem se encontra em apuros.

2 comentários:

Cafo... disse...

Que tudo esteja bem...e quanto ao profissionalismo, você é acima de tudo um ser humano especial e generoso.

Primendonça disse...

Não vou te acalmar, até porque nunca passei por uma cirurgia tb, e tenho um certo receio desse momento q sei q poderá acontecer a qualquer momento, mas fazer o q??? Tem q confiar né meu amigo!!! No entanto, eu torço sim, p q tudo ocorra bem!!! No mais, não teremos fim, e nesse caso, sem dramas porque verei e ouvirei sua pessoa mais um monte de vezes! E com mariolas!!!!