27 de ago de 2010

MÚSICA FATAL

A música fatal. Antiga como todos os sonhos. O som da partida de quem nunca partiu. Abro o vidro do carro e a noite tem cheiro de solidão. Cansado, o corpo obedece. Adoece. Fiz uma carta destinada à Caetano Veloso. Na mente, claro. Outro dia falo nisso. A música fatal. Nova como sonhos antigos. O som da chegada de quem nunca se foi. Fecho a porta do carro e mergulho na solidão. Ouvi uma música de Caetano Veloso. Na mente, claro. Não falo mais nisso. A música fatal. Não é antiga, não é nova. Abro a porta do carro e o corpo adoece. Quebro o cd do Caetano Veloso. No chão, é claro. Você que não sabe o que lê, sinta a música fatal e boa noite.

Nenhum comentário: