31 de mar de 2010

ÓI, ÓI O TREM

Destino final: Saracuruna. A estação é um corredor de cimento com alguns bancos, muita gente e ambulantes. É o povo feio, que se veste com roupa barata e perfume ruim. São os excluídos, desdentados, nem no subúrbio moram... O trem me emocionou. Aquele tec-tec-tec-tec-tec que se revezava com o violino dos trilhos. Ambulantes. Amendoim, três por um real. Trem sujo e desanimado, indo e voltando sem fim. Entre as janelas a mesma paisagem de duas décadas atrás. Tec-tec-tec-tec, a litania da vida de gado. Desci, cruzei o túnel de ambulantes e patinei na água que escorria alegremente dos bueiros.

Um comentário:

Cafo... disse...

Mesma paisagem sempre...eu logo ali...cruzando a Rio-Magé e você nem acenou...