5 de mar de 2010

CARONAS

Ele preferiu ficar com a gorda, disse enquanto procurava abafar a conversa. Pegou uma carona e esqueceu que eu estava a seu lado e tendo que ouvir a conversa sem desviar os olhaos da pista. Com um sorriso tentou explicar qualquer coisa. Gorda serve pra rolar e empurrar, concluiu. O politicamente incorreto não me assusta. O mundo é tão cruel quanto hipócrita... Hoje, outra carona. Uma das moças mais lindas que já vi na minha vida. Por alto, falou de sua vida. Contou dificuldades com tanta naturalidade e alegria que quase me convenceu que o bom mesmo é ter problemas. Pediu para descer e perguntei: Você mora mais prá dentro, certo? Ela fez que sim e eu a levei até a casa. Longe. Estrada escura e esburacada. Você faz este trajeto todo dia? Ela disse que já estava acostumada. Na volta marquei a distância, 3km. Uma moça como ela poderia estar voltando de carrão ou vivendo melhor com apenas um sorriso aos homens sempre bestas que existem por aí. Não. Trabalha e estuda dignamente, percorre seus 3km sem reclamar da vida...

Um comentário:

MM disse...

Esse tema, a beleza, é deveras interessante. Nunca achei quem tornou a “beleza fundamental”, bonito. Embora seja uma das pessoas para quem eu tire o chapéu. Talvez apenas a beleza do outro seja fundamental. Nossos pecados são sempre perdoáveis, uma vez que temos outras virtudes. Quem sabe, até mais nobres que a própria beleza? Ele deitou com a gorda, rolou com a gorda, puxou a gorda e empurrou num movimento constante e... Até gostou. E concluiu: “Gorda serve pra rolar e empurrar”. E preferiu ficar com ela. Quem diria? E viva a gorda!