31 de jan de 2010

SUICÍDIO

É uma história comum, infelizmente. Moça inteligente e de boa aparência volta para o namorado. Nada demais, não fosse o rapaz uma unanimidade: ninguém gosta dele. Os amigos se revoltam e o comentário é geral - não entendem o "suicídio"... Um caso de amor, pensei com uma ponta de inveja do sortudo. Mas logo descarto a idéia. Não. Sei que não é um caso de amor. O amor eleva, constrói, assim acredito. Há casos - e não digo que seja esse - que são simplesmente patológicos. Carências, dificuldades, necessidades e traumas infantis - deixemos aos freudianos as respostas.

2 comentários:

MM disse...

Mais de mim é um tiro no escuro. Uma falta de ar; um ar puro. Um apuro salutar; um refúgio seguro. Suicídio? Não.

Nane disse...

Meu amigo. Quem disse mesmo que éramos seres racionais? Acho que nas questões amorosas muitas vezes somos mais irracionais que os propriamente ditos. Acredito que nem Freudianos possam explicar já que "nós" que passamos por isso númeras vezes não conseguimos.