30 de jan de 2010

OS DEUSES DO POP E A GUITARRA QUE GENTILMENTE CHORA

Eles não são mais jovens. Cada um é uma estrela, capazes de agitar multidões. Empunham suas guitarras com olhares sérios. Estão falando de coisas importantes. É uma bela letra. Eric Clapton põe a guitarra para chorar gentilmente. George Harrison com seu olhar indiano, profundo e penetrável sem fim. Nos teclados Elton John e ainda compõe o grupo Phil Collins e Ringo Star. A guitarra chora gentilmente e eu me arrepio, como sempre, ao perceber a beleza. A beleza de almas envolvidas na criação. Eu acredito sempre na possibiliade de elevação espiritual. É o traço que nos torna sublimes, tão sublimes quanto deuses. E quanto mais crescemos no entendimento do mundo, mais percebemos a igualdade das coisas. A evolução espiritual deve significar a involução de certos aspectos da humanidade: cobiça, arrogância, pretensão... A guitarra de Harrison não toca mais, mas ela vai continuar chorando gentilmente por toda a eternidade. Uma guitarra que chora gentilmente é divina. Que expressão: chorar gentilmente...
Bem, o link para a eternidade é este:

Um comentário:

MM disse...

De todas as virtudes, a que mais me impressiona é a generosidade. De todas as músicas que conheço, Bolero de Ravel.
Que generosa criação! Tão repetitiva; tão rica! Fico às vezes me perguntando o que será que inspira tanta dedicação. Coisas que não se faz por dinheiro, mas por amor, por paixão. E se presenteia o mundo inteiro.