4 de jan de 2010

RESPONSABILIDADE

Existe um provérbio chinês que é quase ridículo em sua simplicidade: tudo vai bem se você age bem. Sento diante deste teclado nesses primeiros dias de 2010 e penso nas correspondências que recebi. Consegui uma garrafa de Gato Negro e ponho os pensamentos em dia. Não dei as respostas adequadas, aliás, não fiz comentários aos remetentes, fiz o voto dos monges - estou mudo. Ou deveria dizer, perplexo. O ditado chinês é sábio. Em qualquer caso, somos sempre os responsáveis pelos nossos atos. Há os covardes que se escondem por trás de deuses e aqueles que identificam vilões a cada infortúnio. Tenho muitos problemas na atualidade e sou responsável por todos eles. Ponto final.

Um comentário:

Maria disse...

PEDIDO DE DESCULPAS POR TER INVADIDO SEU ESPAÇO.

Estava fazendo uma pesquisa sobre uma planta medicinal, a sucupira, e alguma palavra posta no pesquisador GOOGLE, talvez “dor”, tenha me direcionado ao seu blog. A dor, dor física, é minha inimiga número um e a única que considero. Meu nome é Maria “mesmo”. Poderia ser Maria das Dores. Não importa!
Tenho dois filhos, um menino e uma menina e um espírito eminentemente nômade. O que é difícil de conciliar quando se tem duas crianças. Mesmo assim já morei em Recife, Fortaleza, Toronto e Boston, cidade pela qual me apaixonei. Em breve voltarei a morar lá mais algum tempo.
De todos os papéis que a vida me proporcionou o melhor deles é ser mãe. Me encanta! Nunca aprendi colocação pronominal, mas aprendi a respeitar os sentimentos alheios e os meus próprios. De vez em quando sinto uma felicidade quase imbecil e adoro dançar, mesmo que no dia seguinte não possa nem andar. Vale à pena! Não espero nada de ninguém!
Queria ter nascido em outra época, não precisar trabalhar e puder dedicar-me integralmente as minhas crianças. Ter seis ou oito filhos, quantos Deus me permitisse ter. Tenho apenas dois, e um amor incondicional.
Você não me conhece, mais li alguns dos seus artigos e ainda que rápidos e sorrateiros, permitiram-me conhecer um pouco de você. Adoro Vinho e meu nome também leva Carvalho. Ficaria impressionado se pudesse ver o outro lado! Não verá!
Depois que Marisa Monte gravou “Amor I Love you” e Maria Gadú gravou “Baba Baby”. Sinto-me realmente bem à vontade para errar. Coisa que, aliás, sempre faço.
Se o silêncio é para mim, agradeço. Também vou deixá-lo com o meu.

Não o conheço, repito, mas de qualquer maneira peço desculpas se causei algum inconveniente. Não acontecerá mais. Não era pra ser assim...

E aqui cito um ditado popular mais tolo ainda. “Quem entra na chuva é pra se molhar”.

Assim, se for possível delete meus comentários. Desde já agradeço!

Gostaria de dizer, com bastante medo de ser mal interpretada, o quanto você é brilhante. Parabéns! Uma mente brilhante, um coração generoso, uma pessoa do bem. Foi isso que dessumi.

Irresponsabilidade? Covardia? Vilanismo? Infortúnio? Pesado demais para mim! Tô fora!

Sinto pelos seus problemas e sinto genuinamente se lhe causei mais algum.
PS.: adorei o ponto final e não poderia deixar de registrar que sua perplexidade me envaidece.

Take Care!
Maria (mmaria_br@hotmail.com)