10 de set de 2009

PONTO

Hoje o comentário será breve. Passo a mão sobre a poeira e, sem dó, puxo o fiapo de manga que insistia em sobreviver entre os dentes. O sono é um sonho. Um ponto final será um ato de misericórdia para um corpo cansado. Muitas vezes a poesia me chama. Senti hoje muita saudade do passado. É o máximo que posso fazer agora. Lembrar e dormir imediatamente. Ponto.

Nenhum comentário: