30 de ago de 2009

O OPERÁRIO

Seria um filme comum, não fosse a interpretação de Christian Baile, que acumula um currículo respeitável. De cara: foi o último Batman. O Operário é um suspense previsível, mas a narrativa é densa e prende a atenção. Parece que estamos na inconsciência sombria do personagem. O show fica por conta de Baile, impressionante. Temas que lidam com transtornos mentais sempre me fascinam. Na atualidade um filme com quatro anos é considerado velho, é a lógica do mercado. Entretanto, é melhor recorrer a um filme que não seja lançamento e tenha qualidade. Ainda asim, não foi um bom momento para assisti-lo: eu estava muito cansado e faminto. Apaguei as luzes, inseri o DVD, mordi um pão de queijo e a noite ficou sombria... Felizmente, hoje o sol brilha com toda a força.

Nenhum comentário: