30 de ago de 2012

FISIOTERAPIA

Li no jornal sobre as condições de trabalho do fisioterapeuta. De fato, é uma loucura, vejo agora na prática. A equipe atua freneticamente, cada fisioterapeuta atende a 2 ou 3 pacientes ao mesmo tempo. O espaço fica com ares de uma academia às avessas. Ou seja, não existe aquele egocentrismo triunfante dos locais onde são esculpidos os corpos, ao contrário, o ar é de melancolia e desânimo. Não chega a ser uma galeria de horrores, como no caso das emergências de hospital. Ainda assim, é gente com todo tipo de problema, diga-se fraturas, fissuras, pós-operatórios e assim por diante. Perguntei sobre "causos". Politicamente não me contaram, mas deixaram escapar que o maior incômodo é o "chulé". Com relação à eficácia sou um pouco reticente. As sessões tornam-se mecânicas, despersonalizadas e frias. Claro, devem existir espaços em que o cliente tem um atendimento exclusivo, ministrado por profissionais preparados. Não é o caso das clínicas que atendem por convênio. Está quase no fim esta etapa da minha vida...

Nenhum comentário: