2 de ago de 2012

A MALDIÇÃO

Muitas vezes a virtude é uma maldição. Penso nessa frase enquanto aguardo o cozimento do feijão. Acordei meio zonzo, pois ontem estudei muito. Olhos inchados, corpo pesado e preguiça. A virtude é uma maldição, claro, dizem os taoístas, que pregavam algo semelhante ao caminho do meio. Existe aquele conto que fala da lição da árvore feia... Mas deixemos isso de lado. O dia nos requisita, ou melhor, o rol de coisas a serem feitas. Antes de desligar o computador: se a virtude pode ser uma maldição, como fazer? Exemplos: a pessoa muito bonita ou afortunada que desperta cobiça; o aluno muito inteligente que provoca inveja; enfim, são muitos os exemplos. A resposta, bem no estilo zen-budista: é hora de me ocupar do feijão.

Um comentário:

Cafo... disse...

Às vezes faço o que quero
E às vezes faço o que tenho que fazer
Às vezes faço o que quero
E às vezes faço o que tenho que fazer♪