25 de abr de 2011

FARSA

O senador retira das mãos do jornalista o seu equipamento de trabalho e eu me sinto indignado com isso; pago pelos pedágios e reclamo; o preço da gasolina disparou e quase surtei no posto... Eu já me sentia um chato de galocha - expressão corretíssima para quem acaba de chegar em casa debaixo de chuva aos brados com o estado das estradas. Sentia-me um chato, alguém destinado a estragar a "felicidade" alheia. Eis que me deparo com o livro de Dejours, que praticamente resgatou a minha autoestima. Não sou chato, e sim consciente, penso em mim e nos outros de forma articulada e não fragmetada. Bem, o psicólogo francês analisa a "banalização da injustiça", ou seja, o estado de letargia em que se encontram os cidadãos. Por uma questão de comodismo ou cumplicidade, as pessoas se conformam com as injustiças sociais. Sendo o autor um francês, então, o que dizer do Brasil, onde costumamos rir de nossas próprias desgraças? A despolitização atribui ao destino os insucessos pessoais e atualmente está fora de moda reivindicar ou brigar por ideais. A "geração facebook" é sorridente, cool, light. Não existe mais o direito à sinceridade e à imperfeição. Todo mundo é legal, para cima, de bem com a vida. Mesmo que sob a forma de farsa...

Um comentário:

Jana Monteiro disse...

E ai daquele que criticar qualquer coisa! Parece ser um crime ser "correto" nos dias atuais... Apesar de que nem sabemos mais o que é "o certo" ou "o errado"! Sabemos. Mas o mundo à nossa volta faz questão de torcer o nariz para aqueles que questionam.
O Brasil atualmente vive um estado total de letargia sim! e o povo nem se dá conta de que serão todos a sofrer as consequências da escolha de ficar fazendo "cara de paisagem" concordando com tudo. É triste,mas é real.
EU SOU UMA CHATA CONVICTA! Mas prefiro viver das minhas convicções, do que viver à esmo sem opção de escolha, sem questionar o "porque" de tudo...