25 de mar de 2010

VEM QUE TEM

O calor sufocava. A moça do tradicional point do café disse que ia pedir demissão. O centro do Rio era equivalente ao inferno. Eu já mancava como meu ídolo, o Dr. House. Eis que a música parecia ser mais quente que o maçarico do céu. O ritmo inconfundível. Vinha de uma banca de jornal. Perguntei ao rapaz que me indicou o DVD Tributo à Salsa Colombiana. Eu me arrepiei de pronto e me lembrei que não sinto calor, não sinto frio - não sinto nada quando estou tomado por um sentimento como aquele, da salsa! Tem que ter manha, jeito, não é para qualquer um, assim como o bom samba de raiz, o blues americano ou qualquer estilo musical que tenha sangue. Comprei o DVD. Atenção. Este final de semana tem... "vem que a salsa é boa", como dizia o Mambo que sambo, que tantas vezes ouvi tocar na Lapa...

Um comentário:

MM disse...

Da valsa até a salsa colombiana. Num piscar de olhos, num estralar de dedos. E ainda mais, o Dr. House... Que versatilidade, JG. Me encanta! Vem que tem. Tô que tô. Parece mesmo é ritmo de música e se assemelha ao piuí-tatatá, piuí-tatatá. Ruído de trem. Alguém indo, chegando ou simplesmente passando. Que correria é o meu Momento de Poesia! “Eu estava tão quietinha que mal me reconhecia, inopinadamente ela chegou com um olhar de cão e um saca-rolhas na mão...”