16 de mar de 2010

NO AR

Tempos de transição. A angústia diante de fenômenos sem explicação. Uma sensação de estranheza na qual os conceitos parecem não dar conta da realidade. Gente louca em profusão. Até o clima parece ter ficado louco. Do ponto de vista do universo, a extinção da arrogante espécie do planetinha não causará comoção. Quando criança, eu tinha vontade de ser astrônomo. As estrelas agora só me interessam nas belas noites. Eu já havia perdido o interesse pelos dramas humanos e agora nem os astros me fascinam. Leveza. Essas coisas não me dizem respeito. Olho a miragem como quem se encontra numa fila de banco. Sinto a poesia no ar. Os tempos de transição são tempos de oportunidades...

Um comentário:

MM disse...

Pensei em escrever o “amor está no ar”, João. Frase feita, tão previsível e conveniente, especialmente para quem como eu não sabe falar de amor. Já registrei aqui mesmo no seu blog. Entretanto registro também que gozo da liberdade que só os que amam sentem. A liberdade irmã da esperança, pulverizada no sorriso de milhares de crianças. Gosto de crianças, João. Daquelas cheias de beleza e das pobres, feias e desdentadas, com barrigas cheias de lombrigas e sorriso banguela. Sabem amar sem maiores questionamentos. Só precisam de uma pequena oportunidade. Aprendo com elas todos os dias e aprendo que amar já é em si mesmo um aprendizado. Nunca entendi como algumas pessoas conseguem ser tão racionais. Respeito. Mas definitivamente não faço parte desse grupo, nem os invejo. Pertenço ao que designou de “gente louca em profusão”. Louca ao ponto de escrever num blog de um desconhecido: você. Quem se expõe, nem sempre é compreendido. É um risco, é um amor sem sentido.