18 de mar de 2010

COBRA

Uma pausa. Mais um episódio de House e umas linhas aqui no blog. Hoje fez uma daquelas tardes cinzentas que me trazem recordações de Curitiba. Penso com o coração apertado em minha mãe. Torço por boas notícias e trabalho bastante. A tese avança, densa e vigorosa. Cada passo meu segue a metáfora da cobra, que conheci ao ler Krishnamurti. Simples e rasteiro, literalmente: se você precisa fazer alguma coisa, deve ser como se você tivesse uma cobra debaixo da cama. O grande guru dizia uma cobra apenas... já um serpentário...

Um comentário:

MM disse...

A cobra cobra. O vento sopra.
Me acelera.
A cobra cobra.
O amor é urgente.
A vida espera.