10 de jul de 2009

ÔÔÔÔ PICOLÉ

É quase um mantra. Diariamente o homem grita: ôôôô picolé! Na mesma hora, chova ou faça sol. Não diz a marca, apenas... ôôôô picolé! O tom é sempre firme e decidido como se anunciasse a mais vibrante novidade; era assim com os jornais do passado em edição extraordinária. No inverno... ôôôô picolé! Ninguém o chama, provavelmente ele não vende - mas ainda assim... ôôôô picolé! E os mantras são poderosos, ecoam na eternidade. Simplesmente... ôôôô picolé! Há coisas na vida que devem ser feitas, simplesmente, sem discussão. Um dia, o silêncio. Não por doença ou atraso, não haverá mais... ôôôô picolé! Mas certamente lá no céu das minhas esperanças haverá espaço para homem tão valente. E entre as nuvens e anjos mestiços se ouvirá... ôôôô picolé!

Um comentário:

Aline disse...

A poesia está em você...ôôôô picolé...de maracujá,chocolate...e de sonhos...rs.
:)