30 de jun de 2009

MILLER, LETÍCIA E O DRAGÃO

Eu disse a mim mesmo: não aguento mais tanta tristeza. E aproveitei o dia de folga, fui treinar apesar dos impedimentos físicos. Dei um telefonema para compartilhar a paisagem e a mágoa. Comentei agora mesmo com Letícia: o blog é um desabafo. Voltando: aos poucos fui sentindo os tendões e os músculos. O sol parecia irradiar motivação. A figura do mestre emoldurava o horizonte. E me senti tão bem, com aquela sensação de tesão pelo fato de estar vivo... E voltando a Letícia: o blog é um desabafo, eu disse. Não como seria num estilo de Henry Miller...
Joseph Heller, o de início de carreira, é meu favorito. Mas Henry Miller não foi apenas um escritor, era também o personagem central - no masculino, sim! Ele expôs suas vísceras à hipocrisia norte-americana. Eu tenho um repertório bom, de arrepiar. Mas eu não faria uma carreira de romancista dessa forma. A história só se repete como farsa, disse Marx no Dezoito Brumário...
E o dragão se espichava na calçada, espargindo energia vital aqui e ali. As lembraças na cabeça e o futuro na imaginação. Como a vida pode ser complicada para quem gosta de complicação! Cheguei! Escrevi o desabafo, falei de Miller, conversei com Letícia no Msn e por fim me aguarda um belo prato de comida. O mestre me disse: comida é sempre comida, não importa qual e concluía: isssssssssssssssssssssssssssssssssssssss...

5 comentários:

Anderson disse...

A dor é necessária...
A boa notícia é que um sr. preso no Paraná no início do ano, acusado de assassinato e tentativa de estupro, será solto. Ao acaso, a polícia prendeu o real criminoso.
Santo acaso!

...pensamentos de uma diminuta... disse...

ok sei q vc falou de mil coisas + quero comentar apenas uma: O SOL!!
q poder q ele tem de nos renovar né??sabe outra coisa q percebo q renova???sorriso de bebê (tirando aqueles q qdo vc olha já ta com cara amarra q sabe lá Deus o q pode signifcar no futuro)..+ realmente parar p/ sentir os raios de sol batendo em vc e sorriso de bebê feliz são coisas q lavam a alma (pelo menos a minha).

flaviopettinichiarte disse...

interesante leitura..interessante devaneios num mundo alucinado pela urgencia....com respeito a nossa morte global posso ter certeza que já estamos sendo velados há mais de 4 decadas por essemeio de (in) comunicação..Bom..talvez hoje seja diferente..e se não for..ao menosterei tentado..abraços..

Soraya disse...

Já viu Henry e June? O filme fala do romance dele com Anais Nin, gostei bastante.
Pois é, o desabafo no blog... enquanto não tenho o meu pego o seu emprestado, pelo menos é certo que tem alguém interessante ouvindo...rs

Letícia disse...

Gosto de desabafar... uma vez uma pessoa desacreditada da vida me disse que desabafar é coisa pra gente fraca. Pode até ser verdade, porque as vezes desabafam comigo e nem sempre sei o que dizer. mas quer saber o que eu disse pra essa pessoa? Disse que a fraqueza está em não conseguir desabafar. Desabafe! ame a vida! ame o Sol! o Miller... o Dragão... rsrs