4 de jan de 2013

PRESENTE, PASSADO, FUTURO

Eu gostaria que o ano de 2013 fosse o início de uma contagem regressiva. No próximo, o ano seria 2012 e assim por diante. De agora até a infância, passando por todas as fases que vivi. Desfazer e refazer ou simplesmente reviver, eis a minha utopia desta manhã. Aos poucos o futuro se torna cansativo e o passado de forma surpreendente se torna sedutor. Santo Agostinho comentou esse aspecto pitoresco do tempo presente, imprensado entre o que não existe ainda e o que já existiu. Eu sei que o único tempo possível é este em que todos nós estamos, aqui e agora. Não tenho como voltar ao tempo em que soltava pipa, ou me atirava loucamente ladeira abaixo em um carrinho de rolimã. Mas desisti também de algumas coisas do futuro. Assim, o presente emerge como uma espécie de prisão. Se o futuro está repleto de coisas que não farei, o passado é cheio daquelas que fiz, mal ou bem. Não é difícil entender que nesse contexto o passado se torna bem presente. Pelo menos hoje de manhã...

2 comentários:

Cafo... disse...

As vezes não quero comentar,mas é mais forte... a casa nunca fica arrumada...rs. Deixo Cazuza:
Eu hoje tive um pesadelo
E levantei atento, a tempo
Eu acordei com medo
E procurei no escuro
Alguém com o seu carinho
E lembrei de um tempo

Porque o passado me traz uma lembrança
Do tempo que eu era criança
E o medo era motivo de choro
Desculpa pra um abraço ou um consolo

Hoje eu acordei com medo
Mas não chorei, nem reclamei abrigo
Do escuro, eu via o infinito
Sem presente, passado ou futuro
Senti um abraço forte, já não era medo
Era uma coisa sua que ficou em mim

De repente, a gente vê que perdeu
Ou está perdendo alguma coisa
Morna e ingênua que vai ficando no caminho
Que é escuro e frio, mas também bonito porque é iluminado
Pela beleza do que aconteceu há minutos atrás...bjs

Cintia Pereira disse...

Ultimamente tenho me emocionado e sentido saudades de certas coisas do passado. Acho que o medo do futuro com tantas crises previsíveis me dá certo medo do fututo.