4 de ago de 2011

SACERDOTE

E eu disse sem um pingo de vinho no sangue: a poesia não é um punhado de palavras, é um estilo de vida; ou seja, a poesia é o próprio poeta em seu cotidiano diferenciado. Ah... eu estou cansado! O Fluminense venceu e o jogador Fred se recusou a entrar em campo, não obstante seus 500 mil por mês. Trabalhei duro e me cuidei das nuances da estrada. O vento frio do mar pisava no acelerador. Agora, como se fosse um sacerdote, rabisco no blog, tendo como fundo musical as palavras do técnico Abel Braga. Falei de poesia, logo fiz menção ao vento e não me irrito com a arrogância do técnico de futebol. Acredito no carma e no darma. Sou eu budista, taoísta e tricolor; psicólogo social, cientista tropical e poeta sofredor. Um sacerdote faz apenas o que as escrituras determinam...

Nenhum comentário: