26 de abr de 2010

CONSELHOS

À tarde o céu era uma camisa azul esticada, tendo a lua como único botão. Uma azia leve me lembrava o bolo de chocolate. O vento suave era mais que um bálsamo, uma verdadeira dádiva de outono. De volta o imenso armário sem lua, insistente e quase sinistro... A conversa com minha amiga foi pesada, bem que eu gostaria de ter o poder de ajudar as pessoas, mesmo que à custa de mentiras. A vida deveria ser mais simples. Não sou bom conselheiro, não sirvo para dizer o que se quer ouvir. Minhas palavras compõem uma elegia a armários...

Nenhum comentário: