13 de jul de 2009

PLEASE, PLEASE, PLEASE

A bela frase merecia uma moldura... no peito. Mas ela passou assim como o dia. Na televisão um programa que se diz cômico, mas ainda ecoa na sala o documentário da GNT sobre a vida de James Brown. A frase tinha algo de mania ou vício - e eu gosto de frases fortes. Eu comentei no mercado que são muitas senhas... e um senhor ao me ouvir disse: "é o apocalipso" (sic). E completou: "eles querem instalar chips e nos impedir de falar com Jesus..." Mudar de assunto faz bem...
A bela frase merecia uma interpretação de James Brown no estilo It's A Man's Man's Man's World. Eu volto em lembrança ao documentário e a hipnose que é ver aquele sujeito cantar. O rei do soul me lembra as ruas pobres das zonas norte e oeste do Rio. Lá James Bronw era o soberano das noites e eu um projeto de tristeza.
Eu me agarro a fiapos para não falar bobagens. Eu sonho, é um direito. O sangue ferve no embalo de I'll Go Crazy. Eu penso em frases ao plantar no solo fértil da imaginação. Please, Please, Please.

3 comentários:

Aline disse...

A linguagem da vida deveria ter tradução no Google...seria mais fácil...mas a vida é sutil e não quer simplesmente ser traduzida automaticamente, ela quer mais...como a música ela quer ser sentida...cada nota é como a batida do coração...A música é como a própria vida...com lembranças, tristezas, alegrias, amores, sonhos...não importa se você escutou aos 12 ou 18 anos...Aos 42 ou 49 anos ela vai estar lá...porque a música está em você e eu posso ouvi-la daqui, não há fronteiras...

Anderson disse...

Ao estilo do mestre.
1.Ontem estive na escola com nome de fruta que de uva não tem nada.
Peguei um jornal "institucional" e só li propaganda - enganosa. Leis do mercado né...
O que eu achei graça foi ler sobre blogs de professores.
Mas precisam autorizar o acesso aos blogs pelos computadores da fruta. Até ontem era proibido.
E mais... só os titulados -e do Rio ou valão mesmo- sabem mexer no blogspot ??
2.Sugestão para o mestre: proiba anônimos. A covardia podia ao menos usar pseudônimos.

Anderson disse...

"Tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu..."
Ontem carreguei na tinta. São efeitos da sobriedade e de uma noite bem dormida...
Deixe os anônimos em paz!
Afinal são somente anônimos.
Abraços a todos que mesmo com nome são anônimos!