19 de mar de 2009

XIXI

No meio da palestra o sujeito declarou seu estarrecimento pelo aumento da quantidade de pessoas que fazem xixi na rua. Pouco depois, num engarrafamento na avenida Brasil, o motorista desceu do carro e esvazio a bexiga no muro cheio de fuligem de uma fábrica. É crime: ato obsceno e passível de prisão. Ouvi muito por alto, no rádio, a idéia de paredes de azulejo com cascatas de criolina a serem criadas no lugar dos mictórios dos bares. Mas o fato é que fazer xixi na rua é crime, ou seja, aliviar uma necessidade fundamental tem previsão penal, mesmo que não existam banheiros públicos. Há bares que só permitem acesso aos seus clientes, enquanto os de rodoviárias são pagos. O tal sujeito estarrecido não reparou que o banheiro da instituição onde ocorreu a palestra que assistíamos estava em reforma, bem como o do prédio vizinho. Pobres universitários estimulados ao crime! Evidentemente não sou favorável ao xixi nas paredes, seja por uma questão de higiene e ordem pública, seja por conta do mau cheiro resultante. Mas não pode ser uma questão policial ou moral, pois não são oferecidas condições para a satisfação de uma necessidade que afinal de contas é básica.

Um comentário:

Aline disse...

Tudo certo concordo...mas acrescento que vocês (homens)são mais "responsáveis"...por essa poluição...será isso?!De qualquer forma em pé é mais prático e fácil...rsrs...