25 de jan de 2009

DEVO DECLARAR QUE

Devo declarar a todos que sou um afortunado, pois a vida tem me permitido conhecer pessoas fantásticas e capazes de me arrancar da desesperança. Diz a guru indiana "A Mãe" que a gente se aproxima daquilo a que se assemelha, então, é uma felicidade colher pessoas como quem colhe rosas - vibrantes, lindas e delicadas - e pensar que elas se assemelham a mim de alguma forma. Eu preciso de muito pouco para viver e a desgraça alheia não me deixa nem um pouco feliz. Um final de semana como este é o bastante. Mesmo intoxicado com veneno para cupins recebi tanto amor e carinho, talvez além do que seja merecedor, que me sinto transbordar de alegria. Por outro lado, não tenho contestado ou polemizado com aqueles que interpretam minhas ações segundo suas inclinações pessoais. Não desejo nada que não seja meu, assim como procuro viver de acordo com princípios que derivam de uma tradição milenar. Não quero seu dinheiro, sua mulher, seu cargo, seu carro... Já fui empresário, intelectual, feirante, vendedor, biscateiro, gerente, assessor e outras tantas e tantas funções, apenas funções, que nem me lembro mais ao certo. Como místico me contenta apenas ver uma lua cheia; como poeta me preenche ver o sorriso matreiro daquela que não me abandonou para sempre...

4 comentários:

Anônimo disse...

hei,hei,hei!pra sempre é tempo demais!

Coral disse...

Está tão tarde...tenho dormido tarde. Hoje você colocou um sorriso em meus lábios. Ler sua alegria me trauxe alegria. Boa noite João, as pessoas que te fizeram bem já o multiplicaram sem saber.
Em Algum Lugar do Tempo.

Aline disse...

O homem ideal é o que não se mostra perfeito...nem tenta...simplesmente é...Li ontem que a beleza da rosa se mostra em todas as fases, quando é apenas um botão...ao desabrochar e até quando murcha...mas para muitos passa despercebido...A vida também tem que ser assim...o que importa a "casca"? Se temos a essência...João...bjs

Patrick Gomes disse...

É João, tembém me sinto muito feliz por ter conhecido pessoas como vc nos ultimos anos. Sabe, pessoas que acrescentam muito à minha vida. Posso considerar-me um afortunado tbm.

Me falta tempo para comentar seus textos... uma pena, gosto de participar!

Malditos cupins!